25 de junho de 2009

...Michael...




Foto do "menino" Michael

Hoje partiu Michael.
Aquele que de uma forma ou de outra
passou por muitas vidas.
Quem não gostava de vê-lo dançar,
quem não usou uma sapatilha daquelas
que escorregavam com facilidade
para para imitar os passos DELE?
Quem não adotou roupas brilhantes,
passou a usar mais roupas negras
e não amou "We are the world"?

Pois é, mais uma forma para pensarmos que os dias passam,
a vida passa e precisamos aproveitar cada minuto,
da melhor maneira possível.

22 de junho de 2009

Hoje fui cedo trabalhar e sem querer encontrei no ônibus que me leva até a escola o meu "priminho" Leandro. Caçula da Tia Maria, até assustei com ele. Nos víamos de vez em quando mas, da última vez que nos encontramos até hoje, vi que ele CRESCEU... e como sempre eu fiquei do mesmo tamanho!

É, o tempo passa....

Marcella foi chamada para fazer o curso de Biodiagnóstico. Nossa, ela ficou tão feliz, esperava não conseguir pois as chamadas para o curso terminaram em maio. Mas chamaram. E todos nós ficamos felizes pois estará fazendo um curso bem direcionado ao que ela gosta: QUÍMICA!

Tudo a ver, puxou a mãe! Filha de artista (que adora misturar cores)...

10 de junho de 2009

...imagens...





....do amanhecer, através DA MINHA JANELA LATERAL...

Bom dia meninas, desculpem estar sumida mas em se tratando de reposição de greve da rede municipal de ensino, colocando todos os fatos da escola em dia...(imaginem como estou nos últimos dias!) vim compartilhar com vocês as imagens que vejo da minha janela...


Paisagem da Janela
Composição: Fernando Brant / Lô Borges

Da janela lateral do quarto de dormir
Vejo uma igreja um sinal de glória
Vejo um muro branco e o voo de um pássaro
Vejo uma grade e um velho sinal...

Mensageiro natural de coisas naturais
Quando eu falava dessas flores mórbidas
Quando eu falava desses homens sórdidos
Quando eu falava desse temporal
Você não me escutou
Você não quis acreditar
Mas isso é tão normal
Você não quis acreditar
E eu apenas era...

Cavaleiro marginal
Lavado em ribeirão
Cavaleiro negro que viveu mistérios
Cavaleiro e senhor de caça e árvores
Sem querer descanso nem dominical
Cavaleiro marginal
Banhado em ribeirão
Conheci as flores e os cemitérios
Conheci os homens e os seus velórios
Eu olhava da janela lateral
Do quarto de dormir

Você não quis acreditar
Mas isso é tão normal
Você não quis acreditar
Mas isso é tão normal
Um cavaleiro marginal
Banhado em ribeirão
Você não quis acreditaaaaar...